Autoconfiança Dois Mitos

Há benefícios claros em se sentir autoconfiante

A confiança pode ajudá-lo a ter sucesso no local de trabalho, nas relações amorosas, profissionais, de amizade e na vida em geral.

A autoconfiança é responsável por sentimentos internos positivos, nomeadamente a felicidade, uma sensação de maior segurança e uma determinação de persistir mesmo diante de dificuldades.

Mito 1: Quando existe autoconfiança, não existe medo e nervosismo.

Confiança não significa ausência de medo, como o Dr. Russ Harris refere no seu livro, ”The Confidence Gap”. A vida apresenta-nos uma variedade de desafios, e "... quando enfrentamos um verdadeiro desafio, onde algo importante está para acontecer, a resposta de luta ou fuga vai acontecer." Isso significa que ansiedade, nervosismo e excitabilidade serão uma parte normal e inevitável da vida.

Outra forma de perceber a autoconfiança

"Sentir medo ou ficar nervoso é uma reação normal quando se arrisca ou tenta algo novo". Na verdade, se você se sentir ansioso e nervoso, pode querer dizer que está a fazer alguma coisa importante para si. A autoconfiança mantém-se quando sabe o que origina essa ansiedade e medo e dirige alguma ação para a resolver.

Mito 2: A pessoa ou tem autoconfiança ou não tem.

A autoconfiança não está nos genes. Não há ainda, forma de afirmar isso. Tanto quanto se sabe, e parece que é o que faz mais sentido, é que a autoconfiança é um sentido de si que é aprendido.

Sendo a autoconfiança aprendida não é como andar de bicicleta, ou aprender a ler, que uma vez aprendido não se esquece mais.

Outra forma de perceber a autoconfiança

Não existe autoconfiança absoluta. Não existe autoconfiança em todas as áreas, em todas as situações. A autoconfiança flutua constante as experiências se sucedem e pessoa adota uma posição de enfrentar essas situações para que o resultado seja mais próximo do que lhe é favorável.