Relação Amorosa. Duas Verdades, Duas Realidades

A relação amorosa tem a ver com o envolvimento de duas pessoas, são o equivalente a “estradas afectivas” de dois sentidos. Por isso, quando as coisas não estiverem a correr bem não se coloque o extremo que o problema é exclusivamente da outra pessoa, nem se coloque no outro extremo em que a culpa é só sua.


A relação amorosa são duas pessoas, duas verdades, duas realidades.


Na relação amorosa ambas as pessoas têm que participar activamente na relação mantendo-a positiva, construtiva e saudável. Como em qualquer organismo dinâmico, com vida, existem momentos em que a relação amorosa não está saudável, isso não é grave. Sabemos que quando um sistema dinâmico sobrevive a uma ameaça ou crise, ele fortalece-se, torna-se imune a essa ameaça. Na relação amorosa é a mesma coisa, quando as pessoas conseguem ultrapassar a crise a relação amorosa fica mais forte, mais resistente. O problema é conseguir ultrapassar a crise, a ameaça.

Toda a relação amorosa é diferente. Não existe a forma certa para que uma relação funcione bem ou funcione mal. Existem indicações acerca do que costuma ser importante na relação amorosa, mas no fim cada casal tem as suas próprias regras, hábitos, rotinas e verdades. A questão é se conseguem comunicar isso um ao outro dentro da relação amorosa e manter a dinâmica viva.

Neste sentido é importante compreender que toda a relação amorosa é diferente de outra. Não é útil comparar a sua relação amorosa com a dos seus pais, amigos, colegas, familiares ou mesmo com relações amorosas passadas, nem mesmo com aquela relação amorosa que parece perfeita.

A sua relação amorosa é única e se precisa ser melhorada então tem que se perceber o que lhe falta.